Container

Atendimento via Telefone

(53) 3271.0002
(53) 99141.3295

Endereço Centro de Eventos

Av. Pinheiro Machado, 3390/BR - 116
Dist. Industrial - Pelotas - RS - 96040500

CDL Pelotas

R. Félix da Cunha, 765 Centro - Pelotas - RS
(53) 3284-8699 - cdlpelotas@cdlpelotas.com.br

Para uma grande plateia, um doce espetáculo

Todos os direitos reservados Fenadoce 2016

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Por dentro

Auditório recebe reunião sobre Alimentos Tradicionais e Artesanais

Publicado 14/06/2018 20:14

O presidente da Frente Parlamentar dos Alimentos Tradicionais e Artesanais, deputado estadual, Zé Nunes, promoveu reunião sobre Alimentos Tradicionais e Artesanais nesta quinta-feira (14) no Auditório I da 26ª Fenadoce. O evento contou com a presença do Diretor Presidente da Embrapa Clima Temperado, Clenio Pillon, o Gerente do Escritório Regional da Emater, Luiz Godoi, a Coordenadora Regional da SEAPI, Thais Domingues, o representante da FIERGS, Paulo Afonso Crochemore e representantes dos movimentos sociais FETAR, FETAG e FETRAF-Sul.
 
A reunião da Frente Parlamentar em Defesa da Elaboração, Promoção e Comercialização dos Alimentos Tradicionais e Artesanais de Origem Animal e Vegetal da Assembleia Legislativa tratou do significado histórico que tem o reconhecimento da tradição doceira de Pelotas.
 
Na opinião do deputado Zé Nunes a aproximação do meio urbano com o campo será cada vez mais necessária e recorrente. “Estamos vivendo um movimento consistente que dialoga com a vinculação do alimento, à qualidade de vida das pessoas, gera renda e agrega valor”, afirmou, ao reiterar o problema causado pelo consumo de alimentos ultra-processados.
 
O objetivo da frente é abrir a discussão com entidades, gestores, lideranças sobre normas e requisitos que deverão ser observados na produção e comercialização de produtos artesanais de origem animal e vegetal. “Nós temos uma tradição na produção de alimentos com embasamento histórico, como as cucas, bombons, queijos e alimentos em geral que são vendidos de porta em porta dos municípios. Este tipo de alimento não encontra abrigo legal, e é considerado até crime por parte de quem produz”, critica o deputado, ao lembrar que é necessária uma legislação que preserve a qualidade desses produtos, e que eles possam ser comercializados pelos pequenos produtores.
 
Durante a reunião, foi homenageado o incentivador do tema, Daniel Aquini, falecido em março deste ano.

Fonte: Reverso Comunicação Integrada

Compartilhe

Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS