Container

Atendimento via Telefone

(53) 3271.0002
(53) 99141.3295

Endereço Centro de Eventos

Av. Pinheiro Machado, 3390/BR - 116
Dist. Industrial - Pelotas - RS - 96040500

CDL Pelotas

R. Félix da Cunha, 765 Centro - Pelotas - RS
(53) 3284-8699 - cdlpelotas@cdlpelotas.com.br

Para uma grande plateia, um doce espetáculo

Todos os direitos reservados Fenadoce 2016

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Por dentro

História da Fenadoce: as criações de José Cabana para as soberanas da feira

Publicado 23/06/2019 14:10

Aos 75 anos de idade, José Silvino Galharde Cabana é o pelotense responsável por criar as conhecidas botas das soberanas da Fenadoce. Já são 26 edições realizando manualmente o desenho, modelagem, corte, costura e acabamento dos calçados que acompanham as soberanas antes, durante e depois da feira. Rodeadas de detalhes e carinho, as botas são itens indispensáveis para as representantes da feira, e carregam consigo segredos que apenas seu criador pode revelar.

O fundador e proprietário da Sapatolândia conta que, apesar da idade, faz ainda todo o trabalho de criação manualmente, e que em 2019 confeccionou sozinho as botas da corte. “A ideia da bota é criada por mim, pensando na ideia do vestido, pois é preciso ter um calçado adequado a ele, e a Fenadoce sempre me deu a liberdade de criar”, destaca José, que se mostra orgulhoso pelo ofício que aprendeu ainda jovem. Cabana conta que se apaixonou pela criação de calçados quando iniciou o trabalho como empregado em uma fábrica, e que, em 1968, resolveu abrir a empresa e fazer criações por conta própria.

A harmonia entre as soberanas é uma das preocupações do sapateiro, que conta um segredo sobre as botas: cada integrante da corte terá um tamanho de salto, de acordo com a sua altura. O objetivo é manter o equilíbrio entre rainha e princesas, fazendo com que a corte mantenha uma altura média, sendo o calçado da rainha sempre três centímetros mais alto do que os das princesas. José destaca que seu trabalho é realizado em couro legitimo, primando pela qualidade do produto, além do visual. “Tenho consciência de que entrego um bom trabalho para o cliente”, aponta.

“Me sinto gratificado, porque meu maior pagamento é o agradecimento. Normalmente todas as soberanas me dão um abraço de agradecimento. Elas demonstram que gostam mesmo do meu trabalho” conta ele feliz. José Silvino diz que trabalha como sapateiro porque gosta, tem vocação pra isso, e se sente muito bem trabalhando. Além dos calçados para a Fenadoce, ele cria botas campeiras, sapatos para noivas, e tudo mais que a criatividade permitir.

“Enquanto eu existir e tiver forças para continuar trabalhando, seguirei criando calçados para a Fenadoce”, conta. Para José Cabana o maior pagamento que pode receber é o abraço e carinho dos clientes, e que, mesmo sem estar presente na Fenadoce 2019, por motivos de força maior, seu coração esta batendo nos corredores do Centro de Eventos: “Meu coração esta na Fenadoce. Queria estar ai, abraçando a rainha e as princesas, agradecendo o carinho. Vou continuar criando com muito carinho para a feira, pois sinto muita satisfação em participar através do meu trabalho. Desejo que cada vez cresça ainda mais a Fenadoce”, encerra.

Fonte: Reverso Comunicação Integrada

Compartilhe

Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS