Container

Atendimento via Telefone

(53) 3271.0002
(53) 99141.3295

Endereço Centro de Eventos

Av. Pinheiro Machado, 3390/BR - 116
Dist. Industrial - Pelotas - RS - 96040500

CDL Pelotas

R. Félix da Cunha, 765 Centro - Pelotas - RS
(53) 3284-8699 - cdlpelotas@cdlpelotas.com.br

Para uma grande plateia, um doce espetáculo

Todos os direitos reservados Fenadoce 2016

Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Mala Direta

Por dentro

História da Fenadoce: docinhos se reencontram 15 anos depois da gravação do comercial da feira

Publicado 22/06/2019 21:13

Crianças colecionam doces sonhos, vontades, carisma e alegria. Juntando tudo isso com cinco crianças, o resultado não será nada além de uma doce festa! Os docinhos da Fenadoce, Eduarda Schleger, Aísha Schaun, Guilherme Soares, Camila Zanata, se reencontraram na 27ª edição da feira, 15 anos depois de terem gravado o comercial para a Fenadoce de 2004. Alegria, saudade e amizade são as palavras que descreveram o encontro dos jovens nesta sábado (22).

Fazer parte da história da Fenadoce gera em cada participante um misto de sentmentos. Ainda que não recordem totalmente do que viveram em 2004, os jovens contam que felicidade foi, sem duvida, o sentimento que perdurou no comercial. “Muitas coisas não lembramos, mas algo que me marca é ver vídeos e fotos da época, e ter uma sensação muito boa dentro de mim. Sempre que venho à Fenadoce parece que tem uma alegria dentro de mim. Estar aqui trás muitas lembranças boas”, afirma Aísha, que aos 20 anos que se prepara para realizar o Enem neste ano.

“É muito bom rever o vídeo. Estamos dando gargalhadas praticmanete o tempo inteiro, parece que estamos nos divertindo muito”, conta Eduarda, a mais nova do grupo, que aos 18 anos sonha em fazer Medicina. Guilherme, que aos 23 anos é estudante de Engenharia de Controle e Automação, afirma ainda que foi uma experiência muito boa, que estar de vota à Fenadoce, recordando o momento que viveu na infância, gera uma sensação diferente. Já a estudante de Direito, Camila, de 22 anos, falou da felicidade de reencontrar os amigos: “É ótimo estar aqui com todo mundo, ver que crescemos mas mantemos a tradição de vir a Fenadoce, prestigiar o evento da cidade”, disse.

Além de trocar conversas e atualizar uns aos outros sobre os rumos que tomaram em suas vidas, os jovens compartilharam também o sentimento de nostalgia: a saudade das alegrias vividas juntos, quando crianças, foi protagonista do encontro. “A propaganda é muito nostálgica pra mim, traz um sentimento bom”, conta Aísha, que tem a fala completada por Guilherme e Camila, que destacaram: “É como se estivesse voltando aquele dia”, “Um pouco mais envergonhados do que na época”.

Camila conta que sempre aprendeu a não desperdiçar a comida, e que esse ensinamento foi porto a prova durante as gravações: “Lembro que no vídeo tinha que comer os docinhos, e as expressões que devíamos fazer. Eu era o bem casado, e tinha vários na mesa, e eu deveria comer um pouco de cada, mas eu achava melhor comer até o final, então tem partes do vídeo que estou de boca cheia para engolir rápido o docinho. É muito engraçado”, recorda.

As fotos, panfletos, cartazes, e revistas estão guardados com carinhos por eles e seus familiares. O apoio e carinho dos familiares com a lembrança é destacado por Camila, que, para o convite de formatura, escolheu uma foto feita durante o comercial. “Todo mundo gosta de lembrar”, acrescenta. Eduarda também lembra que existe uma foto sua em um restaurante da cidade, em decorrência de um prêmio recebido pelo estabelecimento na época: “Não lembro de me ver na televisão, mas lembro de uma revista que tinha meu rosto, e eu achava o máximo, me sentia uma estrela. Lembro de ir no restaurante, que tinha um quadro com o foto minha, e meus amigos sempre mexiam comigo por ter sido o docinho da Fenadoce”.

Por terem realizado a propaganda ainda quando crianças, as famílias foram marcadas por esse momento, lembrando com muito carinho da participação dos filhos. Guilherme conta que antes de participar de ser um docinho, ele já era modelo, e que contou sempre com o apoio da mãe. “Ela sempre relembra a propaganda, sempre comenta. Quando disse que iria reencontrar as meninas, ela ficou super feliz. Minha mãe sempre me deu suporte com as coisas que eu queria fazer”, conta. Já o pai de Eduarda sente saudades do episódio e volta e meia lembra o docinho que ela representou “Ele fica me chamando de quindinzinho, e fica todo nostálgico”, destaca.

“Lá em casa é assim também. É uma nostalgia boa, meu pai fica todo orgulhoso e emocionado, sempre que olha os vídeos e materiais”, acrescenta Aísha. Sobre o encontro em 2019, ela conta que era um sonho antigo: “Queria isso há muito tempo. É uma nostalgia muito grande, um momento que eu queria que voltasse para lembrar de mais coisas que vivemos. A felicidade das crianças, sem problemas para pensar. Todo mundo se divertiu fazendo os doces e roubando os doces um do outro”, afirma. Ela conta que, no inicio, chorava muito para tudo que precisasse ser feito, mas que o choro acabou depois de ficar mais próxima dos demais. “No final deu tudo certo, mas é uma pena que perdemos o contato com o outro menino que participou também”, disse.

Fonte: Reverso Comunicação Integrada

Compartilhe

Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS